INICIATIVAS

2 July 2012

Resultados do passatempo de fotografia “num instante… o património”

.

Integrando a Experiência Fotográfica Internacional dos Monumentos (EFIM), a Direcção Geral do Património Cultural (ex-IGESPAR) promoveu mais uma edição do projecto “num instante… o património” propondo aos jovens (com idade entre os 14 e os 21 anos) participarem num encontro entre o património e a criação contemporânea, numa perspectiva de valorização do processo criativo. Tendo como fonte de inspiração um elemento patrimonial, os participantes expressaram a sua criatividade na captação de imagens inéditas, revelando novos olhares que nos permitem redescobrir o património português a cada instante. 

O projecto internacional denominado por “Experiência Fotográfica Internacional dos Monumentos” (EFIM) é uma iniciativa organizada pelas autoridades da Catalunha (Espanha) que visa difundir o trabalho dos jovens criadores e alunos que saibam captar, através da sua objectiva, a riqueza do património monumental da Europa e dos países mediterrânicos. O resultado internacional desta experiência terá visibilidade na edição de um catálogo digital internacional no qual estarão presentes os trabalhos vencedores dos concursos nacionais.
As duas fotografias seleccionadas, que representarão Portugal internacionalmente através da sua presença na edição do catálogo digital da EFIM 2012, demonstram um olhar atento à paisagem urbana e uma atenção ao pormenor, resultando numa reinterpretação da realidade quotidiana e na expressão de apropriação do património monumental por parte dos seus autores. Numa reformulação selectiva do objecto patrimonial fotografado, ambos os autores apresentam uma visão pessoal e sensitiva de ícones emblemáticos da cidade de Lisboa, capital de Portugal. As duas fotografias acrescentam novos ângulos a conhecidos enquadramentos históricos e relembram a constante possibilidade de descoberta de uma cidade quando se percorrem as suas esquinas do tempo com um olhar desperto.

Em “Reflexos”, de Inês Baleizão, encontramos a subtileza de um instante que deixa adivinhar a cúpula de um monumento numa irregular poça de água. A inversão dos sentidos revela um fragmento do Panteão Nacional de Lisboa conferindo-lhe um enquadramento artístico arriscado e pouco convencional, onde se destaca a fluidez da luz espelhada na água e um ambiente etéreo que contrasta com a textura real e dura da terra do pavimento. Uma imagem fragmentária que testa a visão e que apela à ilusão.

A atenção do olhar e o gosto pelo pormenor são revelados na imagem da Baixa Pombalina de Lisboa, intitulada “Detalhes interessantes”, de Susana Pereira. Numa composição rica em detalhes e, simultaneamente, sóbria, o equilíbrio advém das linhas geométricas, definidas pela fachada do edifício do Museu do Design e da Moda e pelo topo do Arco da Rua Augusta, que enquadram a suspensão de um candeeiro em ferro forjado típico dos bairros antigos da cidade. Alinhados verticalmente pelo candeeiro, as costas da escultura da Glória e o relógio de grandes dimensões. Assim, numa reprodução criativa do majestoso arco triunfal, o candeeiro, em primeiro plano, assume um papel central na fotografia, enquanto o arco neoclássico lhe serve de moldura inferior, conferindo uma minuciosa trama escultórica à imagem.

A forma de entrega dos prémios aos autores das fotografias premiadas será oportunamente divulgada.

Agradecemos a todos os participantes e felicitamos os vencedores!

Fotografias premiadas:

Reflexos, Inês Baleizão

Reflexos, Inês Baleizão

Detalhes interessantes, Susana Pereira

Detalhes interessantes, Susana Pereira

.